Índice Batom em queda

O “lipstick index”, ou índice batom foi um conceito criado em 2001 pelo presidente da Estée Lauder, Leonard Lauder, que buscava entender porque as vendas de sua indústria de cosméticos continuavam crescendo mesmo com os Estados Unidos devastados pela queda das Torres Gêmeas e pela baixa atividade econômica. Segundo o índice batom, em tempos de crise as vendas de supérfluos como batons e cosméticos tendem a crescer mais do que outros setores, por causa do baixo custo unitário, e foco na elevação da autoestima e inspiradas no lema “eu mereço um agrado”, já que a compra de bens duráveis acaba prejudicada pelo alto nível de endividamento. Esta relação entre o índice batom e a indulgência, também se tornou perceptível entre alguns alimentos. Um levantamento do app GuiaBolso de 2015, mostrou que embora 48% dos brasileiros gastassem mais do que recebiam e 78% declararam pechinchar mais desde o abalo na economia, os consumidores das classes A e B cortam massas secas, laticínios e itens de mercearia em geral para continuarem adquirindo cereais saudáveis, doces, sobremesas e bebidas não alcoólicas, enquanto que nas classes C e D, a economia em categorias como limpeza e farináceos é compensada na manutenção dos gastos em refrigerantes, frios e sobremesas. Agora, uma nova pesquisa divulgada em abril (2016) pela Abhipec (Assoc. Brasileira da Ind. de Higiene Pessoal Perfumaria Cosméticos), mostra que com queda de 8% no faturamento de 2015 para 2014, já descontada a inflação, o setor de cosméticos que é normalmente o último afetado pelos ciclos econômicos, também começa a sentir os impactos da crise. Segundo a Abhipec, o resultado foi determinante para a redução no emprego direto a partir de junho do ano passado, fechando 2015 com queda de 3,3% em postos formais de trabalho. “A categoria de produtos para banho, que tinha bom desempenho no Brasil, figurando em segundo lugar no mercado mundial, caiu para quarto lugar em 2015”, afirma o presidente da Abhipec, João Basílio. Bom, não é de hoje que para a maioria das brasileiras, loucura é dizer que cosmético é supérfluo, já que para nós, isso é questão de necessidade, afinal bolsa e sapato até podem ser supérfluos, mas ficar sem lavar o cabelo ou fazer as unhas não dá não é?

Namastê!

#economia #mercado #índicebatom